O mês de setembro

No mês de setembro comemoramos:

1º a 7 – semana da Pátria

7 – Dia da independência do Brasil

10 – Aniversário do Guga

21 – Dia da árvore

21/22 – Início da primavera

26 – Aniversário de Marina Colasanti

27 – Dia de Cosme e Damião

A tarefa de hoje consiste em:

1 – Pesquise a biografia da escritora Marina Colasanti e poste aqui o que achou de mais interessante na vida dela e diga o porquê.

2 – Pesquise um conto da autora, leia-o, escreva aqui:

a) O nome do conto;

b) Você gostou do conto? Por quê?

3 – Pesquise um poema da autora, leia-o, copie-o aqui e responda:

a) Você gostou do poema? Por quê?

Bom trabalho!

Boa semana!

Abraços,

Profª Ana Maria Siqueira

2 Comentários »

  1. jamili Said:

    1 26 de setembro de 1937, em Asmara (Eritréia), Etiópia. Viveu sua infância na Africa (Eritréia, Líbia). Depois seguiu para a Itália, onde morou 11 anos. Chegou ao Brasil em 1948, e sua família se radicou no Rio de Janeiro, onde reside desde então.
    Possui nacionalidade brasileira e naturalidade italiana.Entre 1952 e 1956 estudou pintura com Catarina Baratelle; em 1958 já participava de vários salões de artes plásticas, como o III Salão de Arte Moderna. Nos anos seguintes, atuou como colaboradora de periódicos, apresentadora de televisão e roteiris. 2Marina Colasanti

    Sexta-feira à noite
    Os homens acariciam o clitóris das esposas
    Com dedos molhados de saliva.
    O mesmo gesto com que todos os dias
    Contam dinheiro, papéis, documentos
    E folheiam nas revistas
    A vida dos seus ídolos.

    Sexta-feira à noite
    Os homens penetram suas esposas
    Com tédio e pénis.
    O mesmo tédio com que todos os dias
    Enfiam o carro na garagem
    O dedo no nariz
    E metem a mão no bolso
    Para coçar o saco.

    Sexta-feira à noite
    Os homens ressonam de borco
    Enquanto as mulheres no escuro
    Encaram seu destino
    E sonham com o príncipe encantado.

    a sexta feira

    b eu gostei porque e muito legal. 3gostiei do poema .

  2. alanda gllenda Said:

    aluna{o} ALANDAGLLENDA

    ARTHUR

    Era uma vez uma menina magrinha
    Que nem bambu, vareta, minhoca.

    Era boa por natureza
    Quietinha e estudiosa
    Que nem uma corujinha.

    Cresceu, virou mocinha e professora
    Namorou, desistiu, chorou, insistiu
    Que nem novela das oito.

    Encontrou um grande amor
    Fugiu! Foi ser feliz
    Que nem nos contos de fada.

    Quis ter nenem
    Ficou grávida, de barrigão
    Que nem uma melância.

    Todos ficaram esperando
    Que nem quando fica esperando um trem que nunca chega…

    Então nasceu o Arthur
    Nasceu. Simplesmente.
    Que nem fruto doce, jabuticaba no pé.

    Arthur nasceu com um brilho no olhar
    Um jeito calmo
    Que nem estrela no céu.

    Uma estrela luminosa
    Que tão brilhante
    Iluminou meu coração
    Que nem vela no apagão.

    Ele abriu meus olhos com suas mãozinhas
    Pequenino me ensinou
    Que nem professor.

    Uma lição pra toda vida
    Que nem andar de bicicleta.

    Arthur é assim
    Uma estrelinha
    Brilha!
    Que nem vaga-lume na floresta.

    FIM

    A- O NOME DO CONTO E ARTHUR

    B-EU GOSTEI DO CONTO QUE TODOS ESPERAVA A CHEGADA DE ARTHUR QUANDO ,ELE NASCEU ELE TINHA UM JETINHO CALMO UM BLHILHO NO OLHA ,EU GOSTEI DO GEITO QUE ELE E

    3-Ainda te levarei
    Amor
    Para comer nozes frescas
    Na montanha
    E pendurar cerejas nas orelhas
    Como se fossem flores
    Ou rubis.
    As nozes
    Meu amor
    Mancham os dedos
    E são verdes e exatas
    Como ovos
    Mas as cerejas
    Ah! As cerejas
    São quando a cerejeira sua
    Seu manso sangue.
    Ainda te levarei àquela casa
    onde floriam lilases
    e serpentes tão claras quanto a água
    deslizavam ao pé das macieiras.
    Te mostrarei três lagos
    no horizonte
    três queijos maturando
    numa adega
    três lesmas
    escondidas sob um vaso.
    Estará tudo lá
    à nossa espera
    morangueiras quebradas
    lagartixas.
    Só não estará meu medo
    de menina
    aquele mais escuro que os ciprestes
    ecos no mato passos sobre a ponte
    garras na saia vento nos cabelos
    e o latejar das veias repetindo
    estou sozinha
    e ninguém me salva

    C-EU GOSTEI DO POEMA QUE ELE RIMA FALA DA CERENJA E FALA DE AMO EU GOSTEI DO POEMA VOI O MAIS QUE ACHEI BONITO


{ RSS feed for comments on this post} · { TrackBack URI }

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: